Produção de mudas de Ocimum basilicum L. (manjericão) com subtratos orgânicos

Artículo original

 

Produção de mudas de Ocimum basilicum L. (manjericão) com subtratos orgânicos

Producción de estacas de Ocimum basilicum L. (albahaca) con sustratos orgánicos

Production of Ocimum basilicum L. (basil) cuttings on organic substrates

 

Luiz Fernandes Cardoso Campos*
Eduardo Pradi Vendruscolo1
Camila Meira de Abreu Campos1
Rommel Bernardes da Costa1
Marivone Moreira dos Santos1

 

1 Universidade Federal de Goiás, Goiânia, Goiás, Brasil.

* Autor para la correspondência. Correo electrónico: luizfernandes.agronomo@gmail.com

 

 


RESUMO

Introdução: Ocimum basilicum L. (manjericão) apresenta grandes possibilidades, nas indústrias químicas, farmacológicas, alimentícias e cosméticas. E a produção de mudas é uma das etapas mais importantes do sistema produtivo.
Objetivo: Avaliar o potencial da utilização de húmus de minhoca associado a esterco bovino curtido, na produção de mudas de O. basilicum via estaquia.
Métodos: O delineamento experimental utilizado foi inteiramente casualizado, em quatro repetições. Os tratamentos consistiram em sete substratos, sendo um substrato comercial turfoso e seis composições, utilizando-se do esterco bovino e húmus de minhoca: T1 - Substrato comercial (SC); T2 - 50% SC + 25 % de Esterco bovino curtido (EBC) + 25% Húmus de minhoca (HM); T3 - 25% SC + 50% EBC + 25% HM; T4 - 25% SC + 25% EBC + 50% HM; T5 - 50% EBC + 50% HM; T6 - 100% HM; T7 - 100% EBC. Foram avaliadas as características de taxa de enraizamento, comprimento de raiz e da parte aérea, diâmetro do caule, massa seca da parte aérea e das raízes e o Índice de qualidade de Dickson.
Resultados: A porcentagem de estacas enraizadas não foi afetada de modo significativo pelos tratamentos. O tratamento com 100% esterco bovino curtido apresentou os maiores valores médios para altura de planta, diâmetro do caule e massa seca da parte aérea. O substrato comercial turfoso proporcionou maior índice de qualidade de Dickson seguido pelo tratamento com 50% de substrato comercial + 25 % de esterco bovino curtido.
Conclusão: O esterco bovino curtido proporciona maior desenvolvimento vegetativo, enquanto que a adição de 25% de esterco curtido e 25% de húmus de minhoca ao substrato comercial proporciona mudas de melhor qualidade.

Palavras-chave: Ocimum basilicum L., propagação via estaquia, substrato alternativo.


RESUMEN

Introducción: Ocimum basilicum L. (albahaca) tiene grandes posibilidades de aplicación en las industrias químicas, farmacológicas, alimentarias y cosméticas. La producción de estacas es una de las etapas más importantes del sistema productivo.
Objetivo: Evaluar la utilización de humus de gusano mezclado con estiércol bovino curtido en la producción de mudas de O. basilicum mediante estacas.
Métodos: Se utilizó un diseño experimental aleatorio en cuatro repeticiones. Los tratamientos consistieron en siete sustratos: un sustrato comercial de turba y seis compuestos utilizando el estiércol bovino y el humus de gusano: T1 - sustrato comercial (SC); T2 - 50 % SC + 25 % de estiércol bovino curtido (EBC) + 25 % humus de gusano (HG); T3 - 25 % SC + 50 % EBC + 25 % HG; T4 - 25 % SC + 25 % EBC + 50 % HG; T5 - 50 % EBC + 50 % HG; T6 - 100 % HG; T7 - 100% EBC. Se evaluaron las características de la tasa de enraizamiento, la longitud de la raíz y de la parte aérea, el diámetro del tallo, la masa seca de la parte aérea y de las raíces y el índice de calidad de Dickson.
Resultados: Los tratamientos no influyeron en el porcentaje de estacas enraizadas de manera significativa. El tratamiento con estiércol bovino curtido mostró los mayores valores medios para favorecer la altura de planta, el diámetro del tallo y la masa seca de la parte aérea. El sustrato comercial de turba proporcionó un mayor índice de calidad de Dickson seguido por el tratamiento con 50 % de sustrato comercial + 25 % de estiércol bovino curtido.
Conclusión: El estiércol bovino curtido proporciona mayor desarrollo vegetativo, mientras que la adición de 25 % de estiércol curtido y 25 % de humus de gusano al sustrato comercial proporciona estacas de mejor calidad.

Palabras clave: Ocimum basilicum L.; propagación vía estaquia; sustrato alternativo.


ABCTRACT

Introduction: Ocimum basilicum L. (basil) has great potential for use in the chemical, pharmacological, food and cosmetic industries. Production of cuttings is one of the most important stages in the propagation process.
Objective: Evaluate the use of worm humus combined with cured bovine manure in the production of O. basilicum cuttings.
Methods: A randomized experimental study was conducted with four replicates. The treatments were based on seven substrates: commercially available peat and six compounds combining bovine manure and worm humus: T1 - commercial substrate (CS); T2 - 50 % CS + 25 % cured bovine manure (CBM) + 25% worm humus (WH); T3 - 25% CS + 50% CBM + 25 % WH; T4 - 25 % CS + 25 % CBM + 50 % WH; T5 - 50 % CBM + 50 % WH; T6 - 100 % WH; T7 - 100 % CBM. Evaluation was performed of rooting rates, length of roots and of the aerial part of the plant, stem diameter, dry mass of the aerial part and the roots, and Dickson quality index.
Results: The treatments did not have a significant impact on the percentage of rooted cuttings. Treatment with cured bovine manure displayed the highest mean values of plant height, stem diameter and dry mass of the aerial part. The commercially available peat substrate had a higher Dickson quality index, followed by treatment with 50 % commercial substrate + 25 % cured bovine manure.
Conclusion: Cured bovine manure fosters vegetative growth, whereas addition of 25 % cured manure and 25 % worm humus to the commercial substrate improves the quality of cuttings.

Key words: Ocimum basilicum L., plant propagation by cuttings, alternative substrate.


 

 

Recibido: 23/08/2017
Aprobado: 19/07/2018

 

 

INTRODUÇÃO

 

As plantas aromáticas e medicinais vêm ganhando destaque e assumindo um importante papel no que se refere à saúde, alimentação e essências, entre outros.1 Ocimum basilicum L. (Lamiaceae) é uma espécie anual ou perene, originária do Sudoeste Asiático e da África Central, utilizada como planta medicinal e aromática, que apresenta substâncias de interesse para a indústria alimentícia, farmacêutica e cosmética.2 Na medicina popular, as espécies do gênero Ocimum são indicadas como estimulante digestivo, antiespasmódico, galactagogo, béquico, carminativo.3 Devido a estas variadas possibilidades, as indústrias químicas, farmacológicas, alimentícias e cosméticas veem utilizando o O. basilicum como matéria prima, o que tem despertado o interesse econômico de alguns produtores pelo cultivo dessa espécie.1

No Brasil, o O. basilicum é cultivado principalmente por pequenos produtores para a comercialização das folhas. A planta pode ser propagada de maneira sexuada e assexuada, sendo que a propagação por estaquia de O. basilicum é produzida a partir de ramos novos do ápice de plantas matrizes selecionadas pelo vigor e sanidade.4

Uma das etapas mais importantes do sistema produtivo é a produção de mudas, a qual influencia diretamente o desempenho final das plantas.5 Dessa forma o conhecimento sobre a biologia reprodutiva de espécies medicinais e condimentares é essencial para garantir o estabelecimento das plantas no campo.6 O tipo de substrato a ser utilizado também é fator importante, pois afeta diretamente o desenvolvimento e a arquitetura do sistema radicular, bem como, o fornecimento de nutrientes.5

Diversos tipos de substratos podem ser utilizados para a produção de mudas, dentre eles a vermiculita, areia lavada, composto orgânico, estercos, serragem, bagaço de cana, húmus, além de outros que o agricultor tenha disponível na propriedade. Porém, estes substratos muitas vezes não atendem aos requisitos necessários para a produção plena das mudas, por isso, uma solução viável para este problema é a utilização de misturas de diferentes substratos, a fim de obter um material fisicamente, quimicamente e biologicamente completo.7

O húmus de minhoca pode ser uma ótima alternativa de incremento para o substrato comercial em sistema de produção orgânico, visto que não é permitida a nutrição das mudas com adubos minerais solúveis.8 Portanto, constitui-se um excelente fertilizante orgânico capaz de melhorar atributos químicos, físicos e biológicos do solo, podendo ser utilizado também para a produção de mudas.9 A adição de fontes de matéria orgânica na composição de substratos, a exemplo do esterco bovino curtido, é uma das práticas que contribui no fornecimento de nutrientes às plantas e melhoria das características físicas do meio de cultivo.10

De maneira geral, são poucas as informações disponíveis do ponto de vista agronômico que evidenciem o comportamento das plantas medicinais, aromáticas e condimentares quando submetidas às técnicas de produção agrícola.11

Portanto, o objetivou-se com este trabalho avaliar o potencial da utilização de húmus de minhoca associado a esterco bovino curtido, na produção de mudas de O. basilicum via estaquia.

 

 

MÉTODOS

O experimento foi conduzido no Setor de Horticultura da Escola de Agronomia da Universidade Federal de Goiás, no município de Goiânia, Goiás, (16° 40' S, 49° 15' W e altitude de 750m). O clima, segundo a classificação de Köppen-Geiger, é do tipo Aw (tropical com estação seca no inverno).12

Estacas de consistência herbácea foram obtidas de plantas adultas de O. basilicum, retiradas da parte apical, com aproximadamente 5 cm de comprimento, com um nó apresentando duas gemas e um par de folhas. As estacas foram enterradas verticalmente nos respectivos tratamentos, em bandejas de poliestireno expandido com 128 células. Após o plantio, as estacas foram mantidas em viveiro telado de sombrite com 50 % de sombreamento, irrigado duas vezes ao dia pelo sistema de microaspersão, durante um período de dez minutos em cada rega.

O delineamento experimental utilizado foi inteiramente casualizado com sete tratamentos em quatro repetições, contendo doze mudas por parcela. Os tratamentos consistiram em sete substratos, sendo um substrato comercial turfoso e seis composições, utilizando-se do esterco bovino e húmus de minhoca: T1 - Substrato comercial (SC); T2 - 50 % SC + 25 % de Esterco bovino curtido (EBC) + 25 % Húmus de minhoca (HM); T3 - 25 % SC + 50 % EBC + 25% HM; T4 - 25 % SC + 25 % EBC + 50 % HM; T5 - 50 % EBC + 50 % HM; T6 - 100 % HM; T7 - 100 % EBC. Foram realizadas análises químicas dos compostos (Tabela 1).

As características de taxa de enraizamento (%), comprimento de raiz (cm), comprimento da parte aérea (cm), diâmetro do caule (mm), massa seca da parte aérea e das raízes (g) e o Índice de qualidade de Dickson, foram avaliadas aos quarenta dias após a instalação do experimento. A altura das plantas e o comprimento de raiz, medindo-se a maior raiz, foram mensurados com uma régua graduada, o diâmetro do caule foi mensurado com paquímetro digital. Para a determinação da massa seca da parte aérea e de raízes, as plantas foram separadas e acondicionadas em sacos de papel e secas em estufa, com circulação forçada de ar, à temperatura de 65 °C até massa constante, sendo pesadas em balança analítica de precisão 0,001g.

Para obtenção do índice de qualidade de Dickson (IQD) foram utilizados os dados de altura da planta (ALT), diâmetro do caule (DC), massa seca da parte aérea (MSPA), massa seca de raízes (MSR) e massa seca total (MST), aplicando-se da seguinte equação proposta por Dickson et al.13

Os dados foram submetidos à análise de variância pelo teste F e as médias comparadas pelo teste de Tukey (p< 0,05), utilizando-se o programa estatístico Assistat 7.7.14

 

 

RESULTADOS

Com exceção da porcentagem de estacas enraizadas, todas as demais variáveis analisadas foram afetadas de modo significativo pelos tratamentos aplicados (Tabela 2).

O T7 (100 % EBC) apresentou os maiores valores médios para altura de planta e diâmetro do caule (Tabela 3). O esterco bovino curtido foi 80 % e 40,37 % superior quando comparado ao substrato comercial, para a altura de plantas e diâmetro do caule, respectivamente.

A média geral de estacas enraizadas foi de 93,21 %. Avaliando-se o comprimento de raízes, verificou-se que os tratamentos com o substrato comercial (T1, T2, T3 e T4) apresentaram os maiores valores, destacando-se o T3 (25%SC + 50%EBC + 25%HM) com 7,67 cm (Tabela 3).

A maior massa da parte aérea foi observada para o T7 (100 % EBC), significativamente superior aos demais tratamentos, que também alcançou maior média para a massa seca total, sendo 61,22 % e 68,23 %, respectivamente, superior ao T1 (Substrato comercial) que apresentou as menores médias (Fig. 1). Para a massa seca de raiz o T6 e T7 apresentaram maiores medias porem são estatisticamente similares aos T4 e T5, esse grupo foi superior aos tratamentos T1, T2 e T3 (Fig. 1). O húmus de minhoca também propiciou alta produção de massa seca total, diferindo apenas dos T1 e T2, de forma geral as misturas de húmus e esterco apresentaram desempenho similar para produção de massa seca (Fig. 1).

 

 

O substrato comercial turfoso (T1) proporcionou maior índice de qualidade de Dickson (IQD) seguido pelo T2 (50 % SC + 25 % EBC + 25 % HM), ambos com diferença significativa para os demais tratamentos, que não diferenciaram entre si (Fig. 2).

A adição de 25% de esterco curtido e 25% de húmus de minhoca (T2) ao substrato comercial apresentou o segundo maior índice de qualidade de Dickson, e foi estatisticamente superior aos demais tratamentos, exceto ao T1 (Fig. 2).

 

 

DISCUSSÃO

O alto índice de enraizamento caracteriza a facilidade na produção de mudas de O. basilicum, via estaquia, independente da composição do substrato. Silva et al.4 também não constataram diferença significativa para o percentual de enraizamento, de estacas de O. basilicum, na presença de casca de arroz carbonizada e casca de castanha triturada. Segundo os autores foi verificado que a fibra de coco, por possuir alta porosidade, não foi eficiente no enraizamento de estacas de O. basilicum, comparada com Plantmax® e areia lavada, devido à falta de sustentação das estacas no substrato, dificultando o surgimento dos primórdios radiculares.15 Portanto pode-se inferir que os substratos que proporcionam boa área de contato com as estacas de O. basilicum favorecem o enraizamento dessa espécie.

O esterco bovino apresentou maior teor de nitrogênio e de matéria orgânica (Tabela 1) o que contribui para o maior desenvolvimento vegetativo das mudas.7-16 No caso do T1 a falta de nutrientes no substrato comercial, possivelmente limitou o crescimento das mudas.

Com relação ao comprimento de raízes, Medeiros et al.,17 Souza et al.18 avaliando mudas de tomateiro e Souza et al.19 avaliando mudas de melancia, também observaram melhores resultados com substratos comerciais em misturas com esterco ou solo, para o crescimento de raiz. Segundo os referidos autores, provavelmente, pela presença de espaço poroso adequado e sem impedimento físico ao crescimento radicular das mudas. Vale destacar que substratos podem apresentar inconvenientes no crescimento de plantas, quando utilizados como substrato único, pois possuem excessiva densidade e reduzida porosidade, sendo deficientes em aeração,20 como constatado para o T6 (100 % HM), que apresentou menor valor para o comprimento de raiz (Tabela 3). O substrato ideal deve permitir a emissão de raízes em maior número e comprimento, pois estes são fatores preponderante na constituição de um estande de plantas homogêneo, pois um sistema radicular bem formado favorece a absorção de nutrientes e água permitindo, desta forma, um melhor desenvolvimento da muda no campo.15

Oliveira et al.8 constaram que plântulas, de tomateiro, cultivadas apenas no substrato comercial também apresentaram desenvolvimento significativamente inferior em relação àquelas às quais se adicionou o material orgânico. Parte da matéria seca acumulada pelas plantas depende da absorção de nutrientes presentes no substrato, indicando que o substrato com esterco bovino proporcionou condições favoráveis para o desenvolvimento das estacas, conforme já relatado.1

O resultado de alta produção de massa seca total, corroboram aos verificados Góes et al.21 no qual os substratos que continham componentes orgânicos apresentaram as maiores médias de massa seca da parte aérea, confirmando que o húmus funciona como boa fonte de matéria orgânica para o desenvolvimento de mudas.

Quanto maior o IQD, melhor é a qualidade da muda produzida.22 O IQD é uma fórmula balanceada que inclui relações de parâmetros morfológicos, como altura, diâmetro e biomassa seca, portanto, este parâmetro considera a robustez e o equilíbrio da distribuição da fitomassa.23

Dessa forma ao analisar o índice de qualidade de Dickson, observa-se que apesar dos materiais orgânicos apresentarem um maior crescimento vegetativo das mudas, não existe um equilíbrio na distribuição do crescimento. O que indica que quando o esterco bovino proporciona alta disponibilidade de nutrientes, o sistema radicular se desenvolve pouco, enquanto a parte área tem alto crescimento, característico de plantas estioladas, possivelmente pelo alto teor de nitrogênio.

A proporção de 25 % de esterco curtido e 25 % de húmus de minhoca, pode ser adotada como a melhor nas condições que o experimento foi realizado, pois, apesar de ser menor em relação ao IQD, as plântulas não apresentaram clorose pela deficiência de nutrientes observada no T1 (SC).

 

 

Conflitos de interesses

Os autores declaram que não há conflitos de interesses.

 

 

REFERÊNCIAS

1. Ferreira SD, Bulegon LG, Yassue RM, Echer MM. Efeito da adubação nitrogenada e da sazonalidade na produtividade de Ocimum basilicum L. Rev Bras Plantas Med. 2016;18(1):67-3.

2. Lorenzi H, Matos FJA. Plantas medicinais no Brasil: nativas e exóticas. 2. ed. Nova Odessa:Plantarum; 2008.

3. Sajjadi SE. Analysis of the essential oils of two cultivated basil ( Ocimum basilicum L.) from Iran. Rev bras plantas med. 2006;14(3):128-30.

4. Silva IM, Gusmão SAL, Barros ACA, Gomes RF, Silva JP, Pereira JKB. Enraizamento de manjericão em diferentes substratos e doses de cinzas. Rev bras Plantas Med. 2012;14(esp):188-91.

5. Maggioni MS, Rosa CBCJ, Rosa Junior EJ, Silva EF, Rosa YBCJ, Scalon SPQ, Vasconcelos AA. Desenvolvimento de mudas de manjericão ( Ocimum basilicum L.) em função do recipiente e do tipo e densidade de substratos. Rev Bras Plantas Med. 2014;16(1):10-7.

6. Souza NH, CarnevalI TO, Ramos DD, Scalon SPQ, Marchetti ME, Vieira MC. Produção de mudas de manjericão (Ocimum basilicum L.) em diferentes substratos e luminosidades. Rev bras Plantas Med. 2011;13(3):276-1.

7. Paiva EP, Maia SSS, Cunha CSM, Coelho MFB, Silva FN. Composição do substrato para o desenvolvimento de mudas de Manjericão (Ocimum basilicum L.). Rev Caatinga. 2011;24(4):62-7.

8. Oliveira JR, Xavier FB, Duarte NF. Húmus de minhoca associado a composto orgânico para a produção de mudas de tomate. Rev Agrogeoamb. 2013;5(2):79-6.

9. Aquino AM, Loureiro DC. Minhocultura. Seropédica:Embrapa Agrobiologia; 2004.

10. Cruz FRS, Andrade LA, Feitosa RC. Produção de mudas de umbuzeiro (Spondias tuberosa arruda câmara) em diferentes substratos e tamanho de recipientes. Ciênc Florestal. 2016;26(1):69-0.

11. Pravuschi PR, Marques PAA, Rigolin BHM, Santos ACP. Efeito de diferentes lâminas de irrigação na produção de óleo essencial do manjericão (Ocimum basilicum L.). Acta Sci Agron. 2010;32(4):687-3.

12. Cardoso MRD, Marcuzzo FFN, Barros JR. Classificação climática de Köppen-Geiger para o estado de Goiás e o Distrito Federal. ACTA Geo. 2014;8(16):40-5.

13. Dickson A, Leaf AL, Hosner JF. Quality appraisal of white spruce and white pine seedling stock in nurseries. Forest Chron. 1960;36(1):10-3.

14. Silva FAS, Azevedo CAV. The Assistat Software Version 7.7 and its use in the analysis of experimental data. Afr J Agric Res. 2016;11(39):3733-40.

15. Francisco JP, José JV, Andrade IPS, Folegatti MV, Marques PAA. Qualidade de mudas de manjericão (Ocimum basilicum L.) em casa de vegetação submetida a diferentes substratos e concentração de ácido indolbutírico. RAMA. 2015;8(2):401-19.

16. Silva FOR, Melo CCV, Botelho HA, Souza FBM, Ram JD. Efeito do resíduo de tanque de piscicultura na produção de mudas de Maracujazeiro. Bol Ind Anim. 2017;74(1):58-4.

17. Medeiros MA, Freitas AVL, Guimarães IP, Madalena JAS, Maracajá PB. Produção de mudas de tomateiro em bandejas multicelulares e irrigadas com efluente de piscicultura. Rev Verde. 2008;3(3):59-3.

18. Souza EGF, Barros Júnior AP, Silveira LM, Santos MG, Silva EF. Emergência e desenvolvimento de mudas de tomate IPA 6 em substratos, contendo esterco ovino. Rev Ceres. 2013;60(6):902-7.

19. Souza EGF, Santana FMS, Martins BNM, Pereira DL, Barros Júnior AP, Silveira LM. Produção de mudas de cucurbitáceas utilizando esterco ovino na composição de substratos orgânicos. RBA. 2014;8(2):175-3.

20. Amaro HTR, Silveira JR, David AMSS, Resende MAV, Andrade JAS. Tipos de estacas e substratos na propagação vegetativa da menta (Mentha arvensis L.). Rev Bras Plantas Med. 2013;15(3):313-8.

21. Góes GB, Dantas DJ, Araújo WBM, Melo IGC, Mendonça V. Utilização de húmus de minhoca como substrato na produção de mudas de tamarindeiro. Rev Verde. 2011;6(4):125-1.

22. Gomes JM, Couto L, Leite HG, Xavier A, Garcia SLR. Parâmetros morfológicos na avaliação da qualidade de mudas de Eucalyptus grandis. Rev Árvore. 2002;26(6):655-4.

23. Silva AK, Costa E, Santos ÉLL, Benett KSS, Benett CGS. Produção de mudas de mamoeiro 'Formosa' sob efeito de tela termorrefletora e substratos. Rev bras Ciênc Agrárias. 2013;8(1):42-8.





Copyright (c) 2019 Luiz Fernandes Cardoso Campos, Eduardo Pradi Vendruscolo, Camila Meira Abreu Campos, Rommel Bernardes Costa, Marivone Moreira Santos

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial 4.0 Internacional.