Parâmetros de controle de qualidade de Ocotea nutans (Nees) Mez (canela) e obtenção de extratos e frações.

COMUNICACIÓN BREVE

 

Parâmetros de controle de qualidade de Ocotea nutans (Nees) Mez (canela) e obtenção de extratos e frações

 

Parámetros de control de calidad de Ocotea nutans (Nees) Mez (canela) y obtención de sus extractos y fracciones

 

Quality control parameters for Ocotea nutans (Nees) Mez (cinnamon) and its fractions and extracts

 

 

Fernando Cesar Martins Betim1,2 Camila Freitas de Oliveira1,2 Sandra Maria Warumby Zanin,1 Obdulio Gomes Miguel,2 Marilis Dallarmi Miguel,1 Josiane de Fátima Gaspari Dias1

1 Programa de pós-graduação em Ciências Farmacêuticas, Laboratório de Farmacotécnica, Universidade Federal do Paraná, Curitiba - Paraná. Brasil
2 Programa de pós-graduação em Ciências Farmacêuticas, Laboratório de Fitoquímica, Universidade Federal do Paraná, Curitiba - Paraná. Brasil

 

 


RESUMO

Introdução: Ocotea nutans (Nees) Mez é uma planta pertencente à família Lauraceae. A ausência de estudos aliada às promissoras moléculas encontradas no gênero Ocotea, geraram o interesse de estudo da espécie. A Farmacopéia Brasileira recomenda o controle de qualidade da droga vegetal para garantir a sua identidade e pureza, sendo então a realização de testes de umidade e cinzas para caracterizar a planta em estudo.
Objetivo: Realizar a determinação dos parâmetros de controle de qualidade farmacopeicos de umidade e cinzas bem como a obtenção dos extratos cetônicos e as frações da espécie O. nutans e seus rendimentos.
Método: 1g de folha fresca e caule em cadinho foram levados a estufa de circulação de ar por 5 h. Após o resfriamento em dessecador as amostras foram pesadas para determinação da perda por umidade. As amostras utilizadas na determinação da umidade foram levadas em mufla para incineração. Após o resfriamento em dessecador as amostras foram pesar para determinação das cinzas. O extrato cetônico foi obtido utilizando as folhas e caules secos da planta em aparelho de Soxhlet e fracionado com os solventes hexano, clorofórmio, acetato de etila.
Resultado: As folhas de O. nutans apresentaram umidade de 8,45 % e o caule 11,31 %, o teor de cinzas das folhas foi de 4,80 % enquanto que nos caules foi de 9,13 %. O rendimento do extrato cetônico da folha foi de 20,6 g e do caule 30 g. O fracionamento dos extratos gerou frações orgânicas e a soma de seus rendimentos forma o extrato cetônico de origem.
Conclusão: Os parâmetros de qualidade foram definidos para a espécie O. nutans, assim como a obtenção de seus extratos cetônicos, frações e seus respectivos rendimentos.

Palavras chave: Controle de qualidade; O. nutans; extrato cetônico; rendimentos.


RESUMEN

Introducción: Ocotea nutans (Nees) Mez es una planta que pertenece a la familia Lauraceae. La inexistencia de estudios sobre la composición molecular de Ocotea ha generado interés por la investigación de esta especie. La Farmacopea Brasileña recomienda el control de calidad de los medicamentos de plantas para asegurar su identidad y pureza, por lo cual son necesarias las pruebas de humedad y cenizas.
Objetivo: Determinar los parámetros del control de calidad de la humedad y las cenizas descritos en la farmacopea brasileña, así como obtener los extractos cetónicos y las fracciones de O. nutans y conocer sus rendimientos.
Método: Se colocó 1 g de hojas y tallos frescos en un horno con circulación de aire durante 5 h. Después de enfriar las muestras en un desecador, se pesaron para determinar la pérdida de humedad. Las muestras utilizadas para determinar la humedad se incineraron en un horno. Luego de enfriarlas en un desecador se pesaron para determinar las cenizas. El extracto cetónico de las hojas secas y de los tallos de la planta se obtuvo mediante el método de Soxhlet y se fraccionó con solventes de polaridad creciente (hexano, cloroformo, acetato de etilo).
Resultados: La humedad de las hojas y los tallos de O. nutans fue 8,45 % y 11,31 %, respectivamente. El contenido de cenizas fue 4,80 % para las hojas, y 9,13 % para los tallos. El rendimiento del extracto cetónico de la hoja fue 20,6 g y el del tallo, 30 g. El fraccionamiento de los extractos generó fracciones orgánicas y la suma total de sus rendimientos formó el extracto de cetona de origen.
Conclusión: Se definieron los parámetros de calidad para la especie O. nutans, se obtuvieron sus extractos cetónicos, sus fracciones, y se determinaron sus respectivos rendimientos.

Palabras clave: Control de calidad; O. nutans; extracto de cetona; rendimiento.


ABSTRACT

Introduction: Ocotea nutans (Nees) Mez is a plant from the family Lauraceae. Lack of previous research into the molecular composition of Ocotea has generated interest in the study of this species. The Brazilian Pharmacopoeia recommends the quality control of plant drugs to ensure their identity and purity. This is the reason why humidity and ash tests are recquired.
Objectives: Determine the quality control parameters for humidity and ashes described in the Brazilian Pharmacopoeia, obtain the ketone extracts and fractions of O. nutans and indentify their yields.
Method: One gram of fresh leaves and stems were placed in an oven with air circulation for five hours. After cooling the samples in a desiccator, they were weighed to determine moisture loss. The samples used for humidity determination were incinerated in a furnace. After cooling them in a desiccator, they were weighed to determine ash content. The Soxhlet method was used to obtain the ketone extract from dry leaves and stems of the plant. These were fractionated with increasing polarity solvents (hexane, chloroform, ethyl acetate).
Results: Humidity of O. nutans leaves and stems was 8.45 % and 11.31 %, respectively. Ash content was 4.80 % for leaves and 9.13 % for stems. Yield was 20.6 g for the leaf ketone extract and 30 g for the stem ketone extract. Fractionation of the extracts generated organic fractions, and the sum total of their yields formed the ketone extract of plant origin.
Conclusion: Quality parameters for the species O. nutans were defined, ketone extracts and fractions were obtained, and their respective yields were determined.

Key words: Quality control; O. nutans; ketone extract; yield.


 

 

INTRODUÇÃO

O uso de plantas medicinais, ou seus derivados, é antigo e em grande expansão. As civilizações primitivas utilizavam as plantas para melhorar suas condições de vida, aumentando a chance de sobrevivência, busca pelo alívio e cura de enfermidades.1 Os metabólitos secundários desenvolvidos pelas plantas são, na maioria das vezes, os responsáveis pela resposta de cura ou melhoranas funções fisiológicas do organismo ou de um sistema biológico.2

A espécie Ocotea nutans (Nees) Mez pertence à família Lauraceae. É endêmica do estado do Paraná e geralmente encontrada entre o primeiro e segundo planalto.3 Popularmente, é conhecida como canelinha ou canela, devido à semelhança odorífera com a especiaria canela (Cinnamomum). A espécie não possui estudos químicos ou biológicos, e os estudos presentes são restritos a taxonomia e ocorrência florestal. A ausência de estudos dessa espécie motivou o estudo aplicado a O. nutans, visto que, estudos realizados com outras espécies deste gênero Ocotea verificaram concentração significativa de alguns compostos químicos de grande interesse farmacológico e industrial.4

Após a obtenção de potenciais precursores de fármacos derivados de plantas, estes, precisam ser avaliados em testes de triagem biológica in vitro, seguindo a modelos animais e por fim, avaliação clinica.5

Para a prática de avaliação clinica, o controle de qualidade torna-se um elemento obrigatório. O objetivo do controle de qualidade da droga vegetal tem visaa garantia de sua pureza e identidade vegetal e assim justifica a importância da realização de testes de umidade e cinzas para caracterizar a planta.6,7

Assim, o presente trabalho teve como objetivo realizar a determinação dos parâmetros de controle de qualidade farmacopeicos de umidade e cinzas bem como a obtenção dos extratos cetônicos e as frações da espécie O. nutans e seus respectivos rendimentos.

 

MÉTODOS

Coleta, identificação do material botânico

A espécie O. nutans foi coletada entre os meses de junho e julho de 2015, na cidade de Colombo-Paraná, próximo as coordenadas 25° 17' 03,5" S, 49° 08' 44" W. A identificação da espécie vegetal foi realizada por comparação com a exsicata registrada no Herbário do Departamento de Botânica da Universidade Federal do Paraná (UPCB), sob o número 56552.

Parâmetros de controle de qualidade: umidade e cinzas

O procedimento para determinação do teor de umidade foi executado em triplicata por meio do método gravimétrico, de acordo com a Farmacopéia Brasileira.6 Utilizando material seco, triturado, foi pesado 1 g de amostra em cadinho de porcelana previamente seco, padronizado e identificado. O conjunto foi levado à estufa de circulação forçada de ar (100-105 °C), por cinco horas. Os cadinhos foram depositados em dessecador até resfriamento completo e procedeu-se à pesagem novamente.

O teor de umidade foi determinado a partir da diferença (em massa) entre a umidade do material estabilizado e a umidade do material seco em estufa, caracterizando a perda por umidade (em U%, porcentagem de umidade), como demonstrado na fórmula 1:

O mesmo material avaliado na determinação do teor de umidade foi utilizado em sequência para realização do teor de cinzas totais conforme recomendação da Farmacopeia Brasileira.6 Os cadinhos recém-pesados (triplicata) na etapa final da determinação do teor de umidade foram inseridos em mufla, com aumento de temperatura gradativo até (600 ± 25 °C), para que todo o material fosse incinerado (aproximadamente 2 horas), tornando-se cinzas. Os cadinhos foram colocados em dessecador para então proceder-se à pesagem. O teor de cinzas foi calculado em relação ao material estabilizado, de acordo com a fórmula 2:

 

Preparo e obtenção do extrato cetônico de O. nutans

Após a coleta, o material botânico foi separado em folhas e caule, gerando dois objetos de estudo. Para facilitar o preparo do material, foram utilizados ramos menos espessos. O material foi seco em temperatura ambiente e após a secagem, triturado em moinho de facas e martelo.

Para obtenção dos extratos cetônicos foram utilizados 600 g de material vegetal das folhas e 600 g de material vegetal do caule. Os extratos cetônicos das folhas e caule seco foram obtidos em aparelho de Soxhlet ao longo de oito horas utilizando acetona como solvente. Os extratos foram filtrados e concentrados em evaporador rotativo com pressão reduzida à temperatura de 50 ºC e 90 rpm até a redução a 1/5 de seu volume inicial. Ao final das extrações, foram obtidos o extrato cetônico da folha (ECF) e o extrato cetônico do caule (ECC), ambos armazenados em frascos, a temperatura ambiente, até o momento do fracionamento. O rendimento da extração foi calculado ao final do processo de obtenção do extrato.

Fracionamento do extrato cetônico

O fracionamento dos extratos cetônicos em escala de polaridade é realizado para auxiliar na identificação das classes de metabólitos. Além de facilitar a identificação, a possibilidade de isolamento destes metabólitos é muito maior desta forma, se comparada às tentativas baseadas apenas no extrato cetônico.

Os extratos cetônicos das folhas e do caule foram fracionados por extração líquido-líquido, em aparelho de Soxhlet modificado, com os solventes hexano, clorofórmio e acetato de etila (em escala crescente de polaridade). O produto remanescente da última etapa de fracionamento foi denominado como fração residual. Por fim, foram obtidas oito frações (quatro de folhas e quatro do caule: hexânica (FHF e FHC), clorofórmica (FCF e FCC), acetato de etila (AEF e AEC) e residual (FRF e FRC) correspondendo a quatro polaridades. Ao final dos fracionamentos foram calculados os rendimentos da extração.

 

RESULTADOS

Os parâmetros de controle de qualidade podem ser visualizados na tabela 1.

O rendimento da extração das folhas com o solvente acetona foi de 20,6 g. O caule teve rendimento de 30 g. Os resultados podem ser visualizados na tabela 2, juntamente com o rendimento de cada fração obtida e seu rendimento em relação ao extrato cetônico inicial.

 

DISCUSSÃO

Os ensaios de controle de qualidade são parâmetros importantes a se estabelecer, pois confirmam e definem os padrões de controle de qualidade para determinada espécie, uma vez que podem denunciar adulterações ou ainda falsificações de materiais vegetais. No caso de O. nutans, foram estabelecidos pela primeira vez, agregando dados inéditos a espécie.

Esta análise tem grande importância uma vez que pode auxiliar na identificação botânica e identificação de impurezas na amostra.6 A combinação destes parâmetros físico-químicos é exclusiva de cada espécie. O teor de umidade e cinzas mostra variações conforme a parte morfológica analisada. Foi encontrado um valor maior de umidade e cinzas no caule.

Diferentes farmacopéias estabelecem como teor máximo de umidade a variação que compreende a faixa entre 8 e 14 %, com poucas exceções especificadas em monografias.6 A presença de umidade em matéria prima vegetal propicia a ação de enzimas podendo acarretar a degradação ou a quebra de constituintes químicos, além de possibilitar o desenvolvimento de bactérias e fungos.8

A determinação do teor de cinzas permite a apuração de impurezas inorgânicas não voláteis que podem atuar como contaminantes no material vegetal.8 É representado pela soma de material inorgânico da espécie (cinzas intrínsecas) com as substâncias de origem terrosa (cinzas extrínsecas).9 Na Farmacopéia Brasileira não há informações sobre o limite máximo de cinzas para espécies vegetais, porém o resultado da determinação de cinzas totais apresenta-se abaixo de 14 %, conforme os limites estabelecidos em monografias de diversas drogas vegetais.

Pode-se observar que a fração com maior rendimento foi à fração hexano da folha (FHF) seguido da fração hexano do caule (FHC), e a de menor rendimento foi à fração acetato de etila da folha (FAEF) seguido da fração clorofórmio do caule (FCC). Não foi encontrado até o momento na literatura rendimentos de extratos e frações no gênero Ocotea para comparação.

Os parâmetros de qualidade foram definidos para a espécie O. nutans, assim como a obtenção de seus extratos cetônicos, frações e seus respectivos rendimentos.

CONFLITO DE INTERESSES

Os autores declaram não ter conflitos de interesse.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. Miguel MD, Miguel OG. Desenvolvimento de fitoterápicos. 2 ed. São Paulo: Tecmedd; 2004.

2. Veija-Junior VF, Pinto AC, Maciel MAM. Plantas medicinais: cura segura? Química Nova. 2005;28(3):519-28.

3. Brotto ML, Cervi AC, dos Santos EP. O gênero Ocotea (Lauraceae) no estado do Paraná, Brasil. Rodriguésia. 2013;64(3):495-525.

4. Barreiro EJ, Bolzani VS. Biodiversidade: fonte potencial para a descoberta de fármacos. Química Nova. 2009;32(3):679-88.

5. Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Guia para condução de estudos não clínicos de toxicologia e segurança farmacológica necessários ao desenvolvimento de medicamentos. Brasília: ANVISA; 2013.

6. BRASIL. Farmacopéia Brasileira. 5 ed. Volume 1. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Brasília: ANVISA; 2010.

7. Oliveira CF, Oliveira FF, Oliveira VB, Miguel OG, Miguel MD. Parâmetros de controle de qualidade de Psychotria fractistipula L.B. Sm., Klein & Delprete (Rubiaceae): Umidade, cinzas e prospecção fitoquimica. Visão Academica. 2014;15(4):17-23.

8. Farias MR. Avaliação da qualidade de matérias primas vegetais. In: Simões CMO et al. Farmacognosia da Planta ao Medicamento. Porto Alegre/Florianópolis: Ed. da UFRGS/ Ed. da UFSC; 2003. p. 263-88.

9. Braga TV, Oliveira TT, Pinto JT, Dores RGR, Nagem TJ. Determinação de massa fresca, massa seca, água e cinzas totais de folhas de Cissus verticillata (L.) e avaliação do processo de secagem em estufa com ventilação forçada. Revista de Ciências Farmacêuticas Básica e Aplicada. 2007;28(3):287-90.

 

 

Recibido: 17 de marzo de 2017.
Aprobado: 27 de abril de 2018.

 

 

Fernando Cesar Martins Betim. Universidade Federal do Paraná, Curitiba-Paraná. Brasil.
Correo electrónico: fernandobetim@hotmail.com

 





Copyright (c) 2019 Fernando Cesar Martins Betim, Camila Freitas de Oliveira, Sandra Maria Warumby Zanin, Obdulio Gomes Miguel, Marilis Dallarmi Miguel, Josiane de Fátima Gaspari Dias

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial 4.0 Internacional.