Atividade desinfetante anti-Staphylococcus aureus meticilina resistentes e compostos flavonóides em Achyrocline satureioides Lam. (macela)

César Augusto Marchionatti Avancini, Jane Mari Corrêa Both, Bárbara Spaniol, Pedro Ros Petrovick

Texto completo:

HTML

Resumen

Introdução: os Staphylococcus aureus resistentes a meticilina (MRSA) estão envolvidos nas infecções nosocomiais, na comunidade, nos animais de companhia e nos animais para produção de alimentos, estando a desinfecção e a antissepsia entre os procedimentos adotados como medidas de controle. O fenômeno de resistência bem como a necessidade de insumos de higiene para uso em sistemas de criação animal baseados no modelo agroecológico motivaram o desenvolvimento do trabalho com Achyrocline satureioides (Lam.) DC.- Asteraceae (macela).
Objetivos: testar atividade anti-MRSA de extrações da planta, e quantificar a presença de flavonóides.
Método: os extratos decoto e hidroetanólico foram elaborados na proporção 5 g dos capítulos florais secos para 100 mL de solvente (concentração 50 mg/mL). A ação antibacteriana foi determinada pelo teste europeu de suspensão quantitativa para avaliar a atividade de desinfetantes e antissépticos, frente o padrão Staphylococcus aureus ATCC 6538 e 51 isolados MRSA, nas densidades populacionais iniciais de 106, 105 e 10 4 UFC/mL. Para quantificação de flavonóides foi usada cromatografia a líquido de alta eficiência.
Resultados: frente a cepa padrão e aos 51 isolados, o decocto demonstrou maior atividade bactericida a partir das 8 h, inativando todos até às 24 h. Frente amostra de 21 isolados, na densidade populacional 106 UFC/mL o extrato hidroetanólico em quatro horas de contato já havia inativado 85,7 % deles, tendo o restante sofrido redução populacional. Na densidade 104 UFC/mL 71 % estavam inativados com uma hora de contato, e todos às 4 h. No decocto foram quantificadas, na média das concentrações em mg/100 mL, os metabólitos quercetina (66,96), luteolina (22,65) e 3-O -metilquercetina (81,42).
Conclusão: as evidências observadas sugerem o potencial das soluções, principalmente o extrato hidroetanólico, para uso de modo direto sobre as fontes de infecção em procedimentos de desinfecção, de descontaminação ou de antissepsia, ou ainda em formulações que lhe sirvam de veículo.

Palavras-chave: Achyrocline satureioides; desinfetantes; Staphylococcus aureus; meticilina resistente.

Comentarios sobre este artículo

Ver todos los comentarios




Copyright (c) 2019 César Augusto Marchionatti Avancini, Jane Mari Corrêa Both, Bárbara Spaniol, Pedro Ros Petrovick

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial 4.0 Internacional.