Revisão sistemática sobre as plantas da Relação Nacional de Plantas Medicinais de Interesse ao SUS com potencial terapêutico para doenças cardiovasculares

Diorge Jônatas Marmitt, Claudete Rempel, Márcia Inês Goettert, Amanda do Couto e Silva, Carmen Néri Fernández Pombo

Texto completo:

HTML

Resumen

Introdução: doenças cardiovasculares constituem uma das principais causas de mortalidade, pois muitos são os fatores de risco associados ao seu desenvolvimento. Estudos vêm demonstrando que moléculas extraídas de plantas medicinais podem reduzir o risco de doenças crônicas. Assim, o Ministério da Saúde, publicou em fevereiro de 2009, a Relação Nacional de Plantas Medicinais de Interesse ao SUS.
Objetivos: quantificar os estudos clínicos que referem potencial terapêutico sobre doenças cardiovasculares a partir da utilização de Plantas da Medicinais de Interesse ao SUS, publicados entre 2010 e fevereiro de 2013 em três bases de dados científicas (SciELO, Science Direct e Springer).
Métodos: os descritores utilizados na busca inicial foram o nome científico das 71 plantas da Relação Nacional de Plantas Medicinais de Interesse ao SUS. Considerou-se todos os artigos científicos gratuitos, disponibilizados sob forma de texto completo nas bases de pesquisa, independente do idioma. A busca inicial resultou na seleção de 21,357 artigos encontrados nas bases de dados. A análise foi realizada inicialmente a partir da leitura do título da publicação. Os artigos selecionados foram avaliados através da leitura do Abstratc. Por fim, foi lido integralmente o texto dos artigos selecionados após a avaliação do Abstract, tendo sido selecionados estudos pré-clínicos e clínicos, in vitro e in vivo, que comprovam potencial terapêutico sobre doenças cardiovasculares.
Resultados: esta seleção resultou em 34 artigos de interesse, dos quais, 17 estudos foram realizados com a planta Curcuma longa. Infarto do miocárdio, isquemia cerebral e hipertensão arterial foram as morbidades com a maior quantidade de estudos terapêuticos.
Conclusões: os resultados deste estudo fornecem subsídios teóricos para discussões na Saúde Pública sobre tratamentos alternativos para doenças cardiovasculares.