Atividade moduladora de extratos etanólico das folhas de Clusia nemorosa G. Mey. (Clusiaceae) sobre drogas antimicrobianas

Alison Honorio oliveira

Texto completo:

HTML

Resumen

Introdução: o rápido desenvolvimento de resistência às drogas e a desaceleração no desenvolvimento de novas drogas ativas, chamaram a atenção para o tratamento com combinação de drogas.
Objetivos: analisar a atividade antimicrobiana do extrato etanólico de Clusia nemorosa (Clusiaceae) frente a cepas padrões e multirresistentes bem como a ação moduladora com aminoglicosídeos amicacina, neomicina e gentamicina.
Métodos: o material vegetal (folhas), coletado na Chapada do Araripe, foi triturado e submerso em solvente etanol 96 % e submetido à destilação do solvente no aparelho evaporador rotativo para a produção do extrato etanólico bruto. Um ensaio de microdiluição foi realizado para verificar a atividade antibacteriana e as possíveis interações dos aminoglicosídeos associados às amostras estudadas, utilizando uma concentração sub-inibitória de 128 µg/mL (concentração inibitória mínima/8).
Resultados: a ação do extrato isolado frente às cepas padrões teve uma concentração inibitória mínima > 1024 µg/mL, a ação dos antibióticos foi modulada sinergicamente pelo extrato contra as bactérias multirresistentes Gram-positiva Staphylococcus aureus e Gram-negativas Escherichia coli e Pseudomonas aeruginosa.
Conclusões: o extrato das folhas de C. nemorosa atuou como um agente modulador da atividade antimicrobiana. É sugerido que o extrato de Clusia nemorosa pode ser utilizado como uma fonte de produtos naturais na terapêutica antimicrobiana e no combate a multirresistência bacteriana. 





Copyright (c) 2019 Alison Honorio oliveira

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial 4.0 Internacional.