Atividade inseticida do óleo de Copaifera langsdorffii (copaiba) sobre Tribolium castaneum (Coleoptera: Tenebrionidae)

Bruno Adelino de Melo, Francisco de Assis Cardoso Almeida, Juliana Ferreira da Silva, Raphaela Maceió da Silva

Texto completo:

HTML

Resumen

Introdução: utilizou-se o óleo de copaíba (Copaifera langsdorffii Desf) em duas formas de aplicação como alternativa de controle de Tribolium castaneum.
Objetivo: avaliar o potencial tóxico do óleo de copaíba (C. langsdorffii) sobre adultos de Tribolium castaneum.
Métodos: os bioensaios foram conduzidos no Laboratório de Análise de Sementes, da Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, Paraíba, Brasil. Realizaram-se dois bioensaios: No primeiro, adultos de T. castaneum foram confinados em recipientes de acrílico (50 mL) com tampa, possuindo o óleo nas diluições de 0,0 (testemunha); 10; 30; 50; 70 e 90 %, aplicando-se 0,5 mL da diluição sobre um disco de papel filtro; No segundo experimento, os insetos foram confinados em recipientes de plástico (100 mL) com tampa, por onde o óleo foi levado para o interior desses, na forma de névoa, nas doses de 0,0 (testemunha); 0,5; 1,0; 1,5; 2,0 e 2,5 mL. Para os dois experimentos avaliou-se o número de insetos mortos após 24, 48 e 72 h, e determinou-se a DL 50 e DL90. Os bioensaios foram organizados em esquema fatorial 6 x 3.
Resultados: em ambos os experimentos, o óleo de copaíba se mostrou eficiente para o controle de T. castaneum, com mortalidades de até 100% por contato e 97,5 % por nebulização.
Conclusão: o óleo de C. langsdorffii, por contato ou nebulização, é tóxico a T. castaneum.

Comentarios sobre este artículo

Ver todos los comentarios




Copyright (c) 2019 Bruno Adelino de Melo, Francisco de Assis Cardoso Almeida, Juliana Ferreira da Silva, Raphaela Maceió da Silva

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial 4.0 Internacional.